Em

Com potiguar, Brasil é prata no Mundial de Handebol de Areia

Competição foi disputada na Hungria


1
Competição foi disputada na Hungria (CBH/Divulgação)

O Brasil garantiu a medalha de prata feminina e masculina do Mundial de Handebol de Areia, neste domingo (17), em Budapeste, na Hungria. Depois de duas finais muito equilibradas, o País não conseguiu repetir os títulos da última edição, em 2014, mais ainda é o maior vencedor da modalidade nos dois naipes, com quatro ouros entre os homens e três entre as mulheres. O resultado assegurou também a vaga nos dois naipes para os World Games de 2017, na Polônia.

A decisão feminina foi entre Brasil e Espanha. A potiguar Carol Lima participou da partida. O time europeu impôs um ritmo forte e pressionou as brasileiras desde o início. O jogo terminou 2 a 1 em favor das adversárias (18-8, 12-16 e 4-7). A medalha de bronze ficou com a Noruega, que passou pelas donas da casa por 2 a 1 (12-16, 20-17 e 8-6).

No masculino, o Brasil reencontrou a Croácia, repetindo a decisão de 2014, quando levantou a taça, mas desta vez, os croatas deram o troco. O resultado foi 2 a 0 para os europeus (15-19 e 18-21). O Qatar venceu a disputa pelo terceiro lugar por 2 a 1 sobre os anfitriões (14-15, 20-14 e 7-6).

Para o coordenador de handebol de areia da Confederação Brasileira de Handebol, Stanley Mackenzie, a modalidade tem mostrado uma grande evolução, o que torna cada competição ainda mais disputada. “O Brasil foi bem. É um resultado muito bom para o País no Beach Handball e isso mostra a evolução do esporte pelo Mundo. Isso vai trazer uma renovação grande na forma técnica e de preparação de todas as equipes. O Brasil estava bem na competição, mas teve algumas falhas no último jogo. Os atletas aceitaram bem porque a competição foi bem acirrada. Os dois jogos foram bacanas e isso demonstra que o trabalho que estamos fazendo no Brasil continua dando certo”, apontou.

O coordenador lembra que a modalidade tem importantes compromissos nas categorias de base e que o Brasil irá intensificar o trabalho com essas equipes. “Temos que pensar agora no trabalhado de base porque temos pela frente um Mundial da categoria Cadete e depois disso temos as Olimpíadas da Juventude. Então, o trabalho vai ser voltado para a base também”, acrescentou Stanley.

Além de subir ao pódio, o Brasil foi bem representado também no All Star Team do campeonato. Pelo feminino, Camila Souza foi a MVP, Nathalie Sena a melhor ponta esquerda e Renata Santiago a melhor pivô. Pelo masculino, Nailson Amaral ficou com o troféu de melhor ponta direita e Bruno Oliveira o de melhor especialista.

Com Brasil Handebol