Em

Falta de apoio leva ao êxodo de atletas


A falta de apoio do Governo do Estado e Prefeitura ao remo potiguar vem provocando um rotineiro êxodo de atletas para outros estados brasileiros. Nos últimos anos, nove destaques já trocaram o Rio Grande do Norte por propostas melhores do Rio de Janeiro, Pernambuco e Santa Catarina. “O talento do nosso atleta é indiscutível, o problema é mantê-lo aqui. Infelizmente os outros estados estão muito mais avançados do que a gente em questão de apoio governamental. Rio de Janeiro, Pernambuco e até Blumenau em Santa Catarina já oferecem bolsa atleta regional, ensino superior gratuito, coisa que aqui no RN está muito longe de acontecer”, lamenta o presidente da FNR, Fernando Madruga.

Fernando Madruga, presidente da FNR
Fernando Madruga, presidente da FNR

Para o dirigente, o estado deve uma reparação ao remo. “O Poder Público nunca fez nada pelo remo, se constrói quadras, ginásios, estádios, mas um parque náutico jamais. Está na hora de aproveitar melhor as nossas belezas naturais com belos parques e garagens de remo, acho que as autoridades nos devem sim uma reparação, pois praticamos um esporte secular, de tradição no Rio Grande do Norte e merecemos mais atenção e respeito”, pediu Madruga.
Atualmente, os atletas potiguares que mais se destacam fora do estado são Nilton Padilha, ex-Náutico Potengi, e que agora faz parte da Seleção Brasileira Paralímpica, e Emanuel Borges, ex-Sport, e agora campeão sul-americano pelo Botafogo-RJ, além de fazer parte da Seleção Brasileira Olímpica.